Documentos para o cartão de residente em Portugal [SEF]

Para quem vem fazer doutoramento em Portugal, há a possibilidade de se pedir o cartão de residente, já que ficará pelo menos 3 anos no país – não confundir com o cartão cidadão, para quem está no país há seis anos. Assim fica muito menos burocrático passar tanto tempo assim e só se precisa renovar o cartão (que na verdade é um título de residência temporária) duas vezes. Isso porque você chega com um visto que dura 4 meses; antes do vencimento, faz o pedido do cartão, que terá validade de um ano; dali a um ano, renova o cartão, que passará, então, a valer dois anos.

Todo o procedimento é feito no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, o famoso SEF, que é uma lenda para agendar atendimento e você recebe informações desencontradas de cada pessoa com quem fala… mas é o jeito. O agendamento pode ser feito pela internet no site deles, mas recomendo fortemente ligar lá e marcar. Por algum motivo, por telefone se consegue data muito mais próxima do que as disponíveis no site.

No caso do doutoramento, o visto de residência é chamado “de investigação ou atividade altamente qualificada”. Ao telefone com o SEF, fale que tem este visto no passaporte e precisa pedir o cartão de residente. No dia do atendimento no SEF, leve:

  • passaporte e o visto válido;
  • comprovante de residência (recomendo pedir na junta da freguesia em vez de levar uma conta. a atendente do SEF que assim me orientou);
  • um comprovante de matrícula ou uma carta do orientador atestando que você está matriculado no curso x e o tempo de duração previsto;
  • comprovante de bolsa de estudos ou comprovante de que está com as propinas em dia (no caso do CsF, aquela carta que recebemos dizendo o quanto ganharemos);
  • se a bolsa que recebe é portuguesa, aí é preciso levar sua inscrição na segurança social, mas somente para esses casos;
  • um impresso próprio do SEF, com seus dados pessoais, modelo de referência é DR0001 para quem quiser fazer download no site deles, mas deixo aqui a versão que usamos em outubro de 2015;
  • não é preciso mais levar fotografias 3×4, elas são tiradas na hora.

Seja pontual, senão pode perder seu atendimento!

[ATUALIZAÇÃO: Nosso cartão foi emitido 16 dias após nossa ida ao SEF, mais rápido do que o esperado!] 

Logotipo do SEF,  25 de Fevereiro de 2008.   INACIO ROSA/LUSA

Logotipo do SEF, 25 de Fevereiro de 2008. INACIO ROSA/LUSA

Anúncios

Etapa do mundial de surfe em Peniche, Portugal

Tricampeão mundial Mick Fanning

Tricampeão mundial Mick Fanning – foto minha

Campeão mundial Gabriel Medina - foto minha

Campeão mundial Gabriel Medina – foto minha

Todos os anos, a região de Peniche, perto de Lisboa, recebe uma etapa do mundial de surfe (WSL): é o MOCHE RipCurl Pro. A competição é feita na praia de Supertubos. Na verdade, é bem no canto direito (se você está olhando de frente para o mar), sendo, portanto, numa área conhecida como Praia do Medão. Olhando na foto em que se vê o molhe e a praia ao fundo, é possível notar a estrutura do campeonato na areia da praia, próxima ao farol mais à esquerda na imagem. Coloco um mapa mais ao fim do post para mostrar melhor.

IMG_1970

Essa época de campeonato é ótima para conhecer Peniche, pois a pequena cidade fica cheia de gente, surfistas, e o tempo ainda é bom o suficiente para passar a manhã derretendo na praia ou tendo uma aula de surfe (são centenas de pessoas aprendendo todos os dias!!). É uma boa oportunidade para assistir ao mundial, já que as ondas quebram relativamente perto da praia e é possível ver de pertinho as manobras.

Só que Peniche, dentro de suas muralhas, não é exatamente onde fica a competição. São cerca de 20 minutos de caminhada entre a zona de provas e o hotel oficial do evento (MH Peniche) e o coração da vila, onde fica o museu municipal, restaurantes das famosas sardinhas, a antiga prisão da ditadura portuguesa e as igrejinhas.

IMG_1980

Como as provas começam às 7 da manhã, eu recomendo fortemente hospedar-se próximo à praia do Medão, para poder ir caminhando ou de bicicleta até a praia. Para quem tem carro, claro que isso não é problema, há muuuuito espaço de estacionamento na estrutura.

Além do MH Peniche, que é onde os surfistas ficam hospedados e onde acontecem as festas, jantares e entrevistas coletivas, mas é um hotel caro, rigorosamente ao lado há o Soleil Peniche, bem mais econômico, igualmente perto da praia, e com um visual bem legal.

Não existem muitos restaurantes nessa zona, além de alguns simples perto da praia, mas na rua dos hotéis tem um Intermarché grande e a G3 surfshop quase em frente a ele, onde se pode alugar bicicleta ou equipamento de surf. Fica aqui um mapa indicando todas as coisas citadas no post.

mapa peniche surf supertubos