Festa de São João no Porto

O São João é a grande festa da cidade invicta! Foi a primeira vez que passei a data aqui e foi muito lindo 🙂 O festejo oficial é dia 24/06, mas os 30 dias que o antecedem têm atividades como música e dança pelas ruas, oficinas de balões (aqui é permitido soltá-los) e visitas a pontos de interesse do Porto.

A festa não tem nada a ver com as festas juninas do Brasil. Não há traje típico e as comidas tradicionais são as sardinhas, as francesinhas e o caldo verde. Na noite do dia 24, todos vão às ruas munidos de seus martelos (de plástico, veja aqui) para martelar a cabeça de quem conseguir. É tudo na brincadeira, sem força exagerada, sem incomodar ninguém. Gostei!

O ponto alto é a meia-noite do 23 para o 24, quando há uma grande queima de fogos no rio Douro e na ponte Luis I. Dia 25 não tem aula nem trabalho, todo mundo se recuperando da festança. No vídeo abaixo, da prefeitura, pode-se assistir na íntegra a queima deste ano, ao som de clássicos do rock.

DICA: não vá à Baixa do Porto neste dia, mas sim para Gaia, onde se vê igualmente a queima e há MUITO MENOS GENTE. A situação no Porto é caótica e, claro, ocorrem pequenos furtos e confusões. Fomos para Gaia e foi tudo bem tranquilo.

O principal perrengue é voltar para casa, já que não moramos em Gaia e precisávamos atravessar a ponte para voltar ao Porto. A linha amarela do Metro, que passa por cima da ponte Luis I, é interrompida entre 23h30-2h30, então tivemos que ir a pé, como toda a multidão. A ponte estava abarrotada de gente e balançava MUITO!! Como dizem os portugueses, a ponte estava a abanar.

Fora essa interrupção na ponte, o Metro funciona normalmente durante toda a noite de São João. No dia seguinte, ainda há alguns festejos, como a regata de rabelos (os barquinhos típicos do Porto) e as rusgas, que são desfiles típicos.

Resumindo, São João no Porto é lindo e vale a pena a visita nesta época, apesar dos preços explodirem! Para uma festa mais econômica, pode-se ir a Braga, onde também há uma festa tradicionalíssima.

 

Tentar a vida em Portugal: ida sem documentos

Quem participa em grupos e fóruns sobre brasileiros em Portugal sabe que não passa um dia sem que apareça alguém dizendo que cansou do Brasil e que vai a Portugal tentar a vida, questionando se é arriscado vir sem documentos, etc. E muita gente ajuda, dizendo que veio, que vale a pena arriscar…

Vou partir do princípio da inocência de ambos os lados: de que a pessoa que está no Brasil está preocupada, sem emprego, e desconhece que existam leis para viver em um país, não basta vontade, e que a pessoa que incentiva a vinda irregular está movida pela compaixão, mas meu ponto de vista é bem claro: não devemos tentar nem incentivar imigração ilegal para lugar algum.

O que acontece é que muitos brasileiros vêm a Portugal como turistas, ganham 3 meses de permanência e resolvem procurar um emprego. Isso não pode! Há uns meses atrás, brechas nos serviços portugueses ainda permitiam essa prática com alguma simplicidade, pois a pessoa sem visto conseguia se inscrever na segurança social e, assim, ser efetivada e ter tudo legal, mas atualmente o cerco apertou e o cadastro não é mais feito. O procedimento correto é tirar qualquer visto português ainda em solo brasileiro e vir documentado.

Há muitas outras dificuldades  e custos para quem vem irregularmente, e para isso eu sugiro o canal O Zuca que Virou Tuga no YouTube, bem esclarecedor, mostra o que eu estou falando. São meses, comumente mais de um ano, até ter a situação regular, é um stress imenso.

Portanto, se a sua vontade é vir para Portugal, informe-se no Consulado Português da sua região. Não basta querer, guardar um dinheiro, e vir. E não ouça quem diz: o fulano foi… o fulano conseguiu… Conheça as leis! Existem vistos para cursos universitários, pós-graduações, investimento, aposentados… Jogue o jogo deles e assim também beneficie a população brasileira que faz as coisas certas. Se todos fizerem conforme as regras, fica mais fácil para todos 🙂